Ode ao Prelúdio


SubTer
24/08/2010, 2:35 PM
Filed under: Cartas

Eu gostaria de dizer que amo o mundo, mas eu não amo.
Seria tão fácil generalizar os sentimentos e acreditar que o amor é o mesmo sempre
Em cada novidade, o mesmo amor sempre reutilizado.
Talvez a gente só reutilize o que sobrou, o que não chegou a ser de ninguém
E quando sobra muito amor, sozinho a esperança nunca prospera.
Há tantos pontos finais em minhas histórias,
Coisas tão minhas,
E é fato que é fácil esquecer que não se escreve nada sozinho na vida,
Mas é importante saber entender com o amor que não sobrou
Que quando o outro resolve recomeçar,
Não importa os motivos pelo qual ele queira,
É preciso entender que o tempo não é nosso e somente o hoje está em nossas mãos
E as vezes nem isso, as vezes não há o que fazer,
Mas quando há, é preciso saber que só aí a esperança prospera,
E sendo próspera, é preciso dar vazão.
E sendo razão ou não, sentimento ou matéria,
É preciso entender bem mais que o espaço do tempo
É preciso entender que não podemos ter nada,
Nada além do que o que sentimos,
E eu
Sinto muito.

Danilo Tavares

Anúncios

Deixe um comentário so far
Deixe um comentário



Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s



%d blogueiros gostam disto: